Principais métodos de extração

Principais métodos de extração



PRINCIPAIS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO

Já que apreciar cada grão de café é quase uma arte, a forma que o grão é extraído torna cada xícara da bebida diferente e única. Existem diversos métodos, então listamos os mais conhecidos, dos tradicionais aos modernos. 

Hario V60
Método criado no Japão que ganha cada vez mais espaço. É um dos responsáveis pela “retomada” do café filtrado. Sua técnica é simples: um coador feito em cerâmica ou vidro que mantém a água com temperatura elevada durante mais tempo. Por dentro tem formato espiral que facilita o fluxo da água até xícara: a bebida desce de maneira mais uniforme e o resultado é um café limpo e sem resíduos.

Aeropress 
Pasmem: a técnica foi desenvolvida por um criador de brinquedos dos Estados Unidos. O funcionamento se parece ao de uma seringa. Funciona assim: em uma das peças, semelhante a um tubo, é colocado o café junto a um coador de papel específico; aí é despejada a água quente; e por fim, um êmbolo é inserido e a pressão é feita na peça anterior. O resultado tem características únicas: a textura é semelhante ao coado comum, mas os sabores e o aroma se assemelham aos espressos. O processo de extração é rápido e, por isso, não tem o amargor comum de outros métodos. Além de mais óleos de café são aproveitados devido a pressão exercida.

Chemex
É uma extração, criada em 1941, é curiosa: em um vidro, com formato semelhante a uma ampulheta, é inserido um filtro de papel com tripla filtração. Antes de ter o pó adicionado, o filtro recebe água quente. Só então o café é colocado e passa pelo material. Seu design é tão interessante que uma peça está no Museu de Arte Moderna de Nova York. O resultado é limpo, sem resíduos e que equilibra acidez, doçura e corpo.

Sifão
Outro que chama a atenção pelo design engenhoso. Criado em 1840, é um dos métodos mais antigos. Tem dois globos de vidro, uma base, uma chama que aquece a água e um filtro. Quando é acionado, o fogo aquece a água do globo inferior, que se expande e se junta ao pó de café. Quando a chama é retirada, a parte inferior do aparelho se esfria e o líquido volta para a parte de baixo. Então a mistura passa pelo filtro e o pó se separa da água. Parece difícil, mas o sifão prima pela simplicidade, e tem um resultado limpo, sem amargor e que é servido mais quente que os outros filtrados.

French press
A técnica francesa é semelhante ao do Aeropress: mais uma vez, a pressão é a responsável pelo processo. No entanto, neste caso o pó de café é colocado junto à água quente num recipiente. Logo, o êmbolo de pressão será o responsável por misturar os dois e, por fim, separá-los. O resultado possui mais resíduos, é turvo, forte e encorpado. 

Moka
Criada nos anos 30, a tradicional cafeteira italiana não perde a majestade quando se trata de café filtrado. Hoje já possui diversos designs diferentes, mas o funcionamento de todas é basicamente o mesmo. Como no sifão, duas câmaras separadas por um filtro e bastante pressão são utilizadas na preparação. A água que está na parte inferior é fervida, passa pelo meio - onde está o café e por fim é filtrada e chega pronta à parte superior.

Coador de papel
Criado em 1908 por Melitta Bentz - daí o nome -, é o método mais conhecido e utilizado no Brasil. Ganhou a forma que conhecemos hoje só em 1932. Utiliza-se o filtro de papel para a preparação: como o espaço para saída pós-filtragem é pequeno, a água acaba em contato por mais tempo com o café em pó. Por isso o resultado é um café mais forte e amargo. A extração é relativamente simples, mas vale lembrar que a água jamais deve estar fervida.

Coador de pano
Não importa quanto tempo passe, ainda é o mais querido por muita gente. Com processo de funcionamento semelhante ao Melitta - de papel -, tem gente que prefere utilizar o pano, pois acredita que o sabor do café passado várias vezes pelo mesmo material confere características únicas, além de ser mais rápido. No entanto, especialistas recomendam que o filtro de pano não seja utilizado por mais de um mês. Ou seja, o coador que herdou da avó é só decoração e história para contar, viu?

Espresso
O mais comum das cafeterias, e talvez o preferido do mundo todo, o espresso é feito através da passagem de água quente sob alta pressão pelo grão moído. Ou seja, é realizado com precisão são as máquinas italianas, que possuem maior qualidade de fabricação. O resultado é um café de sabor acentuado, já que o grão moído é aproveitado na totalidade. Sem contar que ainda consegue ainda gerar uma espécie de creme sobre o líquido.

👉 Clique aqui e confira nossos Cafés Especiais em OFERTA!👈

ANTONELLA NERY

Gauchazh

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

11 Simpatias com café para afastar o mal e trazer um amor próspero

Secex: exportações de café em janeiro alcançam 1,255 milhão de sacas

A classificação do café: Tipo, bebida, cor, torração, descrição, peneira